Alemanha – Rota dos Contos de Fada

maio 1, 2019 blogdoguru No comments exist

Eis o tipo de viagem que começa com o clássico “era uma vez…” e segue por um roteiro com personagens inspirados em histórias de sapos que viram príncipes, maldições lançadas por bruxas más e flautistas encantadores de bichos. A Rota Alemã dos Contos de Fada, entre Hanau e Hamelin, possui 315 quilômetros que cruzam dezenas de cidades relacionadas à trajetória pessoal e acadêmica de Jacob e Wilhelm Grimm, responsáveis pelas famosas histórias infantis que ganharam o mundo e ilustram atrações turísticas da região. É como entrar em um capítulo de alguma fábula: dá para seguir os passos do flautista de Hamelin, ser recepcionado em um hotel pela própria Rapunzel e fazer passeios guiados por ruas medievais de vilarejos minúsculos.

A cidade mais próxima da Rota Alemã dos Contos de Fada a receber voos diretos do Brasil é Frankfurt. Dali, trens locais levam à primeira parada da rota (Hanau) em uma viagem de, aproximadamente, 30 minutos. Para garantir mais liberdade ao roteiro, vale a pena já alugar o carro em Frankfurt. Para retornar, o aeroporto mais próximo de Hamelin é Hannover. Considere fazer a rota em dois dias, com pernoite em Kassel. Outro fator que deve ser considerado é a língua. A região é popular entre viajantes de países vizinhos como Bélgica e Suíça, e o inglês nem sempre salva, mas o viajante até que consegue se virar. Se preferir, vale a pena contratar um guia para fazer os passeios.

Hanau, Steinau e Marburg: o começo da história

A Rota Alemã dos Contos de Fada inicia-se em Hanau, a 25 quilômetros de Frankfurt. Conhecida também como Cidade dos Irmãos Grimm, abriga como marco zero da rota uma estátua de 1896 localizada na Neustädt
Marketplace e declarada Monumento Nacional. Outra referência ao mundo das fábulas é a sala dedicada aos Grimm no Museu Histórico de
Hanau, em um castelo barroco do início do século 18. Conhecido como Schloss Philippsruhe, conta com espaços interiores revestidos por carvalho talhado e acervo de arte dos séculos 17 a 20.

Irmãos Grimm

Mas é a 60 quilômetros dali que a rota mostra seu lado mais fabuloso. A minúscula Steinau, a meia hora de Hanau, serviu de residência para a família Grimm durante cinco anos no final do século 18, e suas ruas estreitas dão acesso às atrações mais interativas do roteiro. A cidade pode ser explorada em tours guiados por atores que representam personagens dos contos de fadas e levam os visitantes aos endereços relacionados aos irmãos, como a escola onde eles estudaram na infância e a igreja Katharinen, em que o avô deles trabalhava.

O destaque de Steinau é a casa onde eles passaram a infância, entre 1791 e 1796. Atualmente, funciona como sede do Museu dos Irmãos Grimm, com salas que recriam contos de fadas e abrigam manuscritos, livros de fábulas e os originais de trabalhos assinados por eles, como a Gramática Alemã e o Grande Dicionário Alemão, uma obra com 32 volumes. No interior de suas 14 salas é possível ver miniaturas bem realistas dos contos mais populares e ouvir histórias (em alemão, diga-se de passagem) em iPods que funcionam em coroas típicas dos reis das histórias infantis. 

Um dos lugares mais agradáveis para comer em Steinau é na rathaehnchenfarm, um misto de restaurante com hotel de estilo rústico-chique. O forte ali são as carnes assadas na brasa na frente dos clientes e que chegam à mesa oferecidas pelos garçons no espeto, igual aos rodízios de carne que conhecemos. A sensação é o frango na brasa que é servido inteiro, como porção individual.

Marburg, a 130 quilômetros, é outro endereço do roteiro que merece uma visita. Alunos do curso de direito, Wilhelm e Jacob tiveram na cidade inspirações para começar a escrever suas primeiras fábulas. O destino abriga o curioso Grimm-Dich-Pfad, uma rota urbana autoguiada que reúne objetos e obras de arte em 15 diferentes endereços da cidade. No passeio, os visitantes veem os clássicos sapos dos contos infantis, o sapato perdido de Cinderela e até uma escultura de traços abstratos em homenagem aos Sete Anões.

Kassel: o auge da narrativa

Kassel é a Capital da Rota dos Contos de Fada, local onde os Grimm viveram por mais de 30 anos – período considerado o mais produtivo de suas carreiras literárias. Ali fica o museu Grimmwelt, maior coleção dedicada aos escritores e cuja exibição interativa faz uma viagem no tempo mostrando detalhes de suas vidas e como eles usavam as lendas e a cultura da região para compor seus personagens. Na visita, o viajante descobre também que os Grimm não eram apenas dois, mas três. Um irmão mais novo da dupla era ilustrador e ajudou a dar forma às primeiras histórias.

Outro destaque da cidade é o impressionante Bergpark, parque de 240 hectares construído sobre uma colina e com jardins em estilo inglês. Dizem os locais que os Grimm buscavam ali refúgio para conseguir estudar e encontrar inspiração para suas obras.

Vale a pena investir em um pernoite ali, em Trendelburg, no distrito de Kassel. O hotel-butique Burg Trendelburg recebe seus hóspedes com a presença de Rapunzel e seu tão aguardado príncipe em uma torre original do século 14, que teria dado origem à história da moça de longas tranças. Nos finais de semana há apresentações com os personagens para quem se hospeda no local. A torre também pode ser visitada pelo público em geral, de onde se tem vista panorâmica do Vale de Diemel e dos pequenos vilarejos locais. Mesmo quem não for dormir por aqui pode reservar uma mesa no gostoso restaurante que fica no terraço com vista para os jardins e a torre.

Hamelin: uma história de ratos

Mais ao norte de Kassel, fica a arborizada Hamelin, palco de mais um conto fantástico. Uma lenda do século 13 conta que um caçador de ratos teria encantado as crianças daquela cidade com uma flauta e levado os pequenos para longe da cidade, sem que ninguém mais pudesse vê-los outra vez. Atualmente, o destino é uma das paradas da rota temática alemã, onde desenhos desses (indesejados) animais no chão indicam as principais atrações históricas.

Com fachada de pedra e datada de 1602, a Casa do Flautista de Hamelin (Rattenfängerhaus, em alemão) é um restaurante temático com menu focado em comida germânica. No interior, pinturas nas paredes e esculturas baseadas na fábula dão enredo ao cardápio em que os pratos levam o nome de trechos da mais famosa história da cidade. Uma inscrição na lateral faz referência ao desaparecimento das crianças.

O personagem também aparece em outras atrações da cidade, como no belo Museu de Hamelin, aberto em um prédio renascentista com acervo de 1.300 objetos originais, nos tours guiados por um ator vestido como o flautista e nas apresentações gratuitas ao ar livre do musical Rats, que acontecem no verão e na primavera no centrinho histórico.

E como tudo em Hamelin gira ao redor do conto, o visitante pode voltar para casa trazendo dois suvenires clássicos dali: o “veneno de rato”, um licor de absinto fortíssimo, ou optar por sua versão mais light, feita de ervas, apelidado de “bebida de rato”, que vai fazer você se lembrar da Rota dos Contos de Fada por um bom tempo!

Por Eduardo Vessoni | Revista Viajar pelo Mundo

Tags:,

Deixe uma resposta