Paris bairro a bairro (parte 1 de 2)

setembro 2, 2019 blogdoguru No comments exist

Você provavelmente não precisa de ninguém explicando quais são os cartões-postais de Paris – eles são tão onipresentes que todo mundo já sabe pelo menos um pouquinho. Mas justamente por ter tantos clássicos para visitar (especialmente se for a primeira vez), é fácil, fácil passar batido por alguma coisa. Pois bem, o primeiro passo para explorar Paris é entender sua configuração: a cidade é organizada de forma espiral em 20 arrondissements numerados, que são como distritos, cada um com seus bairros (para se localizar, basta saber que o número final do CEP corresponde ao distrito – assim, o código postal 75007 que acompanha o endereço diz respeito ao 7º arrondissement, por exemplo). Outro fator que ajuda a se situar é a posição em relação ao rio – tal lugar fica na margem direita ou esquerda do Sena. Sabendo disso, separamos os destaques das principais regiões turísticas de Paris para você ir dando check
enquanto flana pela cidade. Na prática, cada itinerário pode corresponder a um dia, dependendo da sua disposição (você não precisa, obviamente, visitar três museus de uma vez só).

Confira aqui nossa programação completa de França

7º Arrondissement

Na margem esquerda do Sena, eis o bairro mais emblemático de Paris – pelo menos no quesito turístico. E nem é pela quantidade de atrações, mas sim pela presença dela, a toda-poderosa Torre Eiffel.

Torre Eiffel

Em 1889, ninguém jamais diria que a torre art nouveau de 320 metros construída temporariamente para a Exposição Mundial acabaria se tornando cartão-postal de Paris. Hoje, ninguém resiste a fazer um piquenique no gramadão do Campo de Marte (Champ de Mars), aos pés do ícone. Quem compra o ingresso para subir tem vistas espetaculares em três níveis de mirante. A experiência ganha requinte se combinada a uma refeição: o primeiro andar da torre, que não chega a admirar pela vista, abriga o restaurante 58 Tour Eiffel, de cozinha francesa moderna (desde € 37,30 no almoço e € 93,70 no jantar, com menu completo e bebidas); já o último piso é palco para as criações do chef Alain Ducasse em seu Les Jules Verne, três estrelas Michelin (desde € 105 no almoço e € 190 no jantar). De noite, a torre fica ainda mais linda, com iluminação que pisca de hora em hora.


** Dica**
Para uma foto bem enquadrada da torre, atravesse o Sena até os Jardins do Trocadéro, uma grande área verde com fontes, esculturas, aquário e museus.

Hôtel des Invalides

O palácio construído pelo rei Luís XIV no século 17 para abrigar veteranos de guerra inválidos virou um marco na Revolução Francesa: foi ali que o povo tomou as armas para invadir a prisão da Bastilha. Hoje o complexo abriga o Museu do Exército (Musée de l’Armée), que conta a história militar da França, com peças desde a Idade Média até a Segunda Guerra Mundial. É onde fica também a tumba de Napoleão Bonaparte.
musee-armee.fr, € 12

Museu do Quai Branly

O acervo deste museu cobre a cultura de povos da Oceania, Ásia, África e América, com máscaras, joias, esculturas e instrumentos musicais.
quaibranly.fr, € 10

Museu Rodin

O Hotel Biron, antigo ateliê de Auguste Rodin, foi convertido em museu para exibir sua grande coleção, encabeçada pela obra-prima O Pensador. A escultura original fica exposta no jardim da mansão – que pode ser visitado separadamente.
musee-rodin.fr, € 10 o museu todo ou € 4 só o jardim

Museu d’Orsay

Uma antiga estação de trem remodelada hoje é, talvez, o endereço mais importante do Impressionismo, do Pós-Impressionismo e da art nouveau franceses. O acervo tem obras de Cézanne, Degas, Van Gogh, Monet, Edvard Munch e Rodin.
musee-orsay.fr, € 12 (€ 16 com o Museu L’Orangerie ou € 18 com o Museu Rodin)

ESTIQUE

Palais de Tokyo: abriga o Museu de Arte Moderna (MAM), com foco em arte dos séculos 20 e 21. Estão lá trabalhos de Picasso, Matisse, Chagall e Giacometti. A 500 metros do Trocadéro (no 16º arr), mam.paris.fr, grátis

Museu Galliera: o que esperar de um museu da moda justamente na capital da moda? O acervo exposto em um palácio do século 19 tem mais de 250 mil peças datadas desde o século 18, entre roupas, documentos e fotografias. Em frente ao Palais de Tokyo, palaisgalliera.paris.fr, € 10 (reabre em 2020)

Quartier Latin

Paris já foi a cidade romana de Lutetia e aqui, neste miolinho entre os arrondissements 5 e 6, é onde mais podemos ver vestígios desse passado – o mais expressivo é o anfiteatro do século 1º, que hoje se assemelha a uma grande praça. Outro aspecto inconfundível do quartier é a Universidade de Sorbonne, fundada no século 13, o que garante ares jovens, vida noturna e precinhos mais camaradas nos arredores.

Panteão

O monumento neoclássico nasceu no século 18 como igreja, com arquitetura feita para desafiar a Basílica de São Pedro romana. Hoje é um mausoléu onde estão sepultados nomes importantes da cultura francesa, como Voltaire, Rousseau, Marie Curie e Victor Hugo.
paris-pantheon.fr, € 9

Museu de Cluny

O Museu Nacional da Idade Média ocupa uma mansão com jardins do século 15, que por sua vez engloba ruínas de termas romanas muito bem preservadas. De resto, o acervo foca em costumes, nas artes, na religião e na vida cotidiana na era medieval.
musee-moyenage.fr, € 8

Rua Mouffetard

A rua mais charmosa do bairro tem uma série de restaurantes, cafés e lojas. O passeio (e a dieta) se perde ainda entre padarias, confeitarias, casas de chá, creperias e sorveterias… De quebra, barraquinhas de feirantes tomam a rua todos os dias, menos às segundas.

Instituto do Mundo Árabe

Para curiosos pela cultura dos países árabes, este magnífico prédio tem trabalhos artesanais, objetos científicos, obras de arte, armas, joias, móveis e manuscritos. É de graça subir ao terraço panorâmico no último andar para apreciar a vista.
imarabe.org, € 8

Museu de História Natural

Este grande complexo abrange o Jardim Botânico de Paris, que foi fundado no século 17 como propriedade real e hoje abriga plantas de diversas partes do mundo em suas estufas – a entrada é gratuita. Com ingressos individuais, há ainda zoológico e várias galerias temáticas, como a de paleontologia, a de mineralogia e a da evolução, com uma série de réplicas de animais.
mnhn.fr, Galeria da Evolução: € 9

ESTIQUE

Jardim de Luxemburgo: é uma delícia o passeio pelo parque ao redor do palácio real do século 17, hoje sede do Senado. Encontre uma cadeirinha vazia à beira dos gramados e das fontes para aproveitar um dia de sol.
A 500 m do Panteão (no 6º arr), senat.fr/visite/jardin

Catacumbas de Paris: saindo do Jardim de Luxemburgo pela Avenida do Observatório, visite os subterrâneos macabros da cidade, percorrendo dois quilômetros de túneis forrados com ossos e crânios, criados em 1810 para desafogar os cemitérios. A 1 km do jardim (no 14º arr), catacombes.paris.fr, € 13

Tour Montparnasse: este prédio moderno de 210 metros de altura tem mirante no 56º andar e terraço ao ar livre no 59º, com mais uma vista que promete ser a melhor da cidade. A 1,2 km do Jardim de Luxemburgo (no 15º arr), tourmontparnasse56.com, € 17

8º Arrondissement

É Paris sendo Paris: charmosa, imponente e elegante. Tudo isso está bem representado na região cortada pelo Eixo Histórico, que alinha os principais monumentos da cidade. A Champs-Élysées, afinal, não é reconhecida como a avenida mais sofisticada do mundo à toa: por aqui ficam as grandes lojas de luxo.

Arco do Triunfo

Na rotatória em que uma dúzia de avenidas se encontra reluz o monumento de inspiração romana que Napoleão Bonaparte mandou erguer para celebrar as vitórias francesas em 1806. Quase 300 degraus depois, o visitante chega ao mirante no topo, a 50 metros de altura – alguém se cansa de ver Paris de cima?
paris-arc-de-triomphe.fr, € 12

Avenida Champs-Élysées

A via mais celebrada de Paris corre por dois quilômetros entre o Arco do Triunfo e a Praça da Concórdia (que ostenta um obelisco egípcio de mais de 3 mil anos marcando o local onde Maria Antonieta foi guilhotinada). É verdade que a avenida ganhou fama por exibir grifes como Louis Vuitton, Dior e Hèrmes, mas também há opções mais populares, como Abercrombie & Fitch, GAP e H&M. Encare uma possível muvuca no balcão da confeitaria Ladurée para provar macarons exatamente onde eles foram criados.

Grand Palais e Petit Palais

Construídos para sediar eventos da Exposição de 1900, ambos os edifícios hoje servem a mostras de arte. No Grand Palais, elas são temporárias. No Petit Palais, fica o Museu de Belas Artes, com acervo da antiguidade ao século 20, expondo Delacroix, Rembrandt, Monet e Gauguin.
grandpalais.fr, € 15 | petitpalais.paris.fr, € 10

Fonte: Viajar Pelo Mundo
Por Cristiana Sinatura

Tags:, ,

Deixe uma resposta