Peru Especial

Viver um destino exótico é uma oportunidade mais fácil do que se imagina. Afinal, quando pensamos em exotismo vem à mente a cultura oriental tão distante. No entanto, tão bela e de uma riqueza histórica intensa, existe toda a tradição inca pertinho da gente. Visitar o Peru permite conhecer uma América diferente. E de uma maneira encantadora.

O país e Machu Picchu são indivisíveis na visão que as pessoas têm sobre o destino. A cultura incaica manteve em segredo, no alto dos Andes, um monumento misterioso que parece ter sido uma fortaleza. Exposta ao mundo moderno tornou-se símbolo dessa civilização pioneira e trouxe um privilégio inexplicável: como um destino tão ermo, de acesso complicado, pode estar disponível tão facilmente ao mais curioso turista?

É esse o privilégio que não se deve desperdiçar. O que por anos foi escondido, agora é seu. Quem visita o Peru de diversas riquezas naturais e históricas ama cada pedacinho do país e se curva aos encantos de Macchu Picchu. Seja seguindo por uma trilha aventureira, seja no conforto de um trem turístico, ver Macchu Picchu pela primeira vez emociona. Em todas as outras, também.

VALE A PENA CONHECER…

LIMA

A capital peruana tem charme. A metrópole guarda uma doce simplicidade pelo seu jeito de ser. É simpática como os peruanos. O bairro de Miraflores é um dos prediletos para caminhadas à beira-mar, boas compras e restaurantes charmosos. Ali se disputam os melhores ângulos com as câmeras fotográficas de turistas que até chegar a Lima subestimavam a capital peruana. Muito longe de ser apenas o ponto de partida de uma viagem, seu centro histórico é lindo em cada detalhe. Os museus são de passar o dia e querer voltar. Os sítios arqueológicos merecem mais do que uma breve estadia na cidade.

CUZCO

É um cenário de arte e cultura. E o visitante é e sempre será o principal protagonista desse espetáculo histórico. Cuzco é reflexo de passado inca mesclado às consequências da invasão espanhola, trazendo ao desenho da cidade um sobe e desce de ruas estreitas, muralhas, igrejas barrocas que sobrepuseram algumas obras incas. No centrão, o destaque fica para o templo do sol, Qoriquancha,atual Monastério de Santo Domingo. Nos arredores, inclua:

SACSAYHUAMAN

Próximo a Cuzco, essa fortaleza é visita obrigatória. Localizada a 3700 metros do nível do mar, foi palco da batalha dos espanhóis e incas em 1532. Seu tamanho impressiona: ocupa mais de três mil hectares. Sua construção também, com blocos rochosos que chegam a pesar 70 toneladas. É uma mostra do encaixe perfeito das rochas que poucos conseguem explicar.

TAMBOMACHAY

As ruínas de maior altitude traz uma curiosidade especial, o sistema de canalização hídrica que mostra o quanto os incas estavam à frente de seu tempo. Tambomachay era um templo destinado ao culto das águas, razão de ser chamado de “Banhos dos Incas”. É repleto de pequenas cascatas e veios de água.

PUKAPUKARA

Chamado de Forte Vermelho, Pukapukara em quéchua, ganhou esse nome em razão da incidência da luz do sol que traz um brilho dessa tonalidade. Imagina-se que tenha sido uma fortaleza militar em razão da localização. Pela proximidade com Tambomachay, imagina-se que o grupo dividia-se na região para práticas distintas e ali ficavam os soldados que se comunicavam pelo reflexo de espelhos (talvez ouro)


MACHU PICCHU

Machu Picchu é motivo de desejo de quem busca ver de perto a cultura de uma civilização poderosa. Foi descoberto em 1911. O desbravador foi Hiram Binghan, estudante de Yale. Historiador formado e arqueólogo por inspiração veio à America do Sul com a missão de descobrir, em meio à selva, Vilcamamba, o berço de uma nova civilização inca, resultado de um levante contra os espanhóis. Pensou tratar-se de Machu Picchu.
Foi um erro – um erro deliciosamente perdoável. Pois foi ele que apresentou esse monumento inca ao mundo. Misterioso nas diversas hipóteses de sua existência, jamais citado em documentos espanhóis, recluso em sua magia, Machu Picchu era um palácio inacessível.
Chegava-se a ele, subindo 3000 degraus incrustados na montanha. Nos seus mais dois mil e quinhentos metros de altura, encoberto por nuvens, era para nunca se visto. Hiran foi obstinado. Alegria para nós. Sorte da humanidade que tem Machu Picchu como patrimônio cultural. Eleito uma das sete maravilhas é destino dos que sabem seu valor e querem ter contato com o eterno.

VALE SAGRADO

Esse vale, além de belo, era muito apreciado pelos incas que usufruíam de sua geografia e riquezas naturais. São importantes ali dois povoados: Pisac e Ollantaytambo. O primeiro é conhecido por uma feira de artesanato que acontece aos domingos e encanta os turistas. Nas terças e quintas, versões menores dessa feira também acontecem. Ollantaytambo é outro povoado curiosamente a única cidade inca ainda povoada.


AREQUIPA

A cidade branca é conhecida assim por sua arquitetura que faz uso de pedras claras de origem vulcânica. Seu visual é de estilo colonial espanhol e sua paisagem é emoldurada pelo quase seis mil metros do El Mist, um vulcão cujo topo é recoberto de neve. Ficou famosa pela presença de figuras intelectuais da história peruana e hoje se consolida como uma cidade industrial sem perder essa beleza branca que a deixa alva e atraente.

TRUJILLO

A primeira cidade fundada pelos espanhóis em homenagem ao conquistador Francisco Pizarro foi também a primeira a obter a independência da Espanha. Hoje é um símbolo de sustentabilidade e a maior cidade do norte do Peru.

CHICLAYO

Uma cidade de fundação espanhola de menor porte que Trujillo é de reconhecida beleza colonial. Desde 1988, ganhou destaque pela descoberta da tumba do “Señor de Sipan”, que se supõe ter sido um poderoso de 1600 anos atrás que foi enterrado com ouro, prata e joias. A repercussão do fato gerou matéria da National Geographic intitulada “Descoberta da Tumba mais rica do Novo Mundo”.

PUNO

Talvez o local que melhor represente a cultura inca remanescente seja Puno. A cidade é chamada de capital folclórica do Peru e razão para tal pode ser vista por todos os cantos. Difícil mesmo é registrar tantas curiosidades: o povo local detesta ser fotografado. A razão é muito menos por uma sugerida timidez e muito mais por superstição que prevê a captura da alma pelo registro fotográfico – é bom respeitar. Puno é utilizada principalmente para a visitação ao Lago Titicaca e outras atrações da Bolívia, país vizinho no qual se encontra o Lago Titicaca, as ilhas flutuantes de Uros e as Torres Sillustani

LAGO TITICACA

Para quem deseja ver de perto a origem do povo inca, o Lago Titicaca é considerado o berço do primeiro inca da linhagem de imperadores. Logo após um dilúvio, foi ali o local do nascimento de Viracocha, primeiro imperador. Além de apreciar a história, a beleza local ainda traz a curiosidade de ser o lago navegável de maior altitude no mundo.

ILHAS DE UROS

Essas ilhas feitas pelas mãos dos homens são acusadas de hoje se apresentarem mais turísticas. De qualquer forma, é muito curioso ver de perto essas 41 ilhas flutuantes que ainda revelam como os homens que ali vivem tiram o sustento do lago assim como era feito pelas gerações anteriores.

TORRES SILLUSTANI

As torres são exemplos da civilização pré-incaica. São túmulos altos em forma circular que rodeiam o lago. Ali eram enterrados apenas reis e pessoas célebres da antiga civilização local.


NÃO DÁ PARA VOLTAR…


…SEM VER


- Lhama, alpaca, guanaca e vicunha – aos olhos do leigo, são os mesmos animaizinhos, parentes latinos do camelo. Quem conhece, sabe a diferença. Vicunha é o mais delicado deles. Seu primo mais próximo é alpaca. Enquanto uma vicunha pode pesar até 40 kg, a alpaca chega aos 90 kg e a lhama aos 150 kg.
- Sítios arqueológicos – seja qual for seu destino, sempre haverá um destino histórico remanescente da civilização inca que mereça uma visita. Não volte sem ir a pelo menos dois ou três deles. E entre eles, sempre incluir Macchu Picchu.

…SEM PROVAR

- Choclo – o milho de espiga que é vendido na hora do almoço pelas ruas de Lima

- Ceviche – delicioso peixe cru marinado com limão. É o prato típico do país. Normalmente é acompanhado por milho e
batata-doce.

- Articuchos para picar – São espetinhos de carne, tradicional receita andina, servidos como entrada ou para acompanhar uma cerveja, normalmente para “picar”, ou seja, para petiscar.

- Arroz com mariscos – servido e muito bem servido em Lima

- Suspiro de Limeña – sua base é o manjar branco. Feito com leite condensado, merece quebrar o regime.

…SEM BEBER

- Pisco Sour – bebida nacional de Peru. É feito com conhaque de uva, limão, clara de ovo e uma pitada de canela.

- Chicha Morada e Inka Cola – o primeiro é um refresco feito com milho roxo. O outro é a versão local dos refrigerantes “cola”.

- Cusqueña, Cristal ou Arequipeña.- Para quem curte cervejas, essas são baratas e de boa qualidade

O QUE TODO APRENDIZ DA CULTURA INCA PRECISA SABER (antes de viajar)

- A civilização inca durou 300 anos.
- Os últimos 100 foram de expansão do império. Por isso tantos sítios arqueológicos pelo país
- Seus imperadores eram descentes diretos do Deus Sol (Inti).
- O segundo mais importante depois do imperador: Villaq Uma, o sacerdote.
- Foram 12 imperadores até a conquista dos espanhóis.
- A ruptura do império somado à invasão espanhola deu início ao fim.
- O povo celebrava a natureza: cobra, puma e condor eram endeusados.
- O idioma inca era o quéchua.
- Quem visita Cuzco visita a capital do império inca. Ela tem o formato de um puma.
- As construções permanecem intactas pelo uso de rochas cortadas e sem suporte entre elas: existem várias teorias sobre essa precisão. É ainda um mistério.
- Não existia escrita entre os incas. Portanto, o hábito de registrar história
também: razão de tantas teorias.
- Lhamas foram domesticados pelos incas.

10 DICAS do Guru

- Muito ouro foi derretido pelos espanhóis. O que foi preservado merece ser visto no Museu Del Oro em Lima. Uma vez na cidade, visite a fortaleza de Pachacamac
- Torcer para chegar a Pisac em dia de feira de artesanato. É muito colorida.
- Inclua Macchu Picchu no seu roteiro.
- Inclua, sempre, Macchu Picchu no seu roteiro (caso ainda tenha dúvida).
- Visite Cuzco. Se próximo a 24 de junho, aproveite para admirar a celebração do
solstício, uma das maiores festas do país.
- Os arredores arqueológicos de Cuzco merecem sua atenção: total atenção.
- Só o trem de Cuzco a Macchu Picchu vale o passeio.
- Já que está pelo Peru, dê uma esticadinha ao Lago Titicaca e a La Paz na Bolívia.
- Vale a pena.
- A gastronomia peruana é composta de 491 pratos. Rivaliza com as mais famosas. Ceviche é o tradicional. Arrisque também a nova proposta culinária do país: o chef Gaston Acurio é o nome a ser citado.
- Para beber pelo menos uma vez: Pisco Sour.